Sarcoma: o que é e como tratar.

Sarcoma: o que é e como tratar

sarcoma é um grupo de tumores raros, que pode acometer qualquer parte do organismo, mas que, geralmente, ocorre nos ossos e nas partes moles (como em músculos, cartilagens, tendões, células de gordura, vasos sanguíneos e nervos periféricos). Em, aproximadamente, 75% dos casos, esse tipo de câncer aparece nas pernas ou nos braços.

Neste artigo, sob a orientação do Dr. Roberto Pestana, oncologista clínico do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, SP, mostramos os principais pontos a saber sobre os sarcomas. Aproveite a leitura e tire suas dúvidas!

O que pode provocar o sarcoma?

O sarcoma é um câncer de baixa incidência, quando comparado a outras neoplasias malignas. Diferente dos tipos de câncer mais comuns, ele sofre pouca influência de agentes externos, ligados aos hábitos de vida e ao ambiente.

Especialistas acreditam que isso tem a ver com sua origem, a qual pode ser ligada a fatores hereditários. Pessoas com síndrome de Gardner e esclerose tuberosa, por exemplo, são mais propensas a desenvolvê-lo.

Quais são os principais tipos de sarcomas?

Existem diversos tipos de sarcomas, os quais podem ser divididos em dois grandes grupos que, em comum, têm a origem no tecido conjuntivo, cuja função é ligar outros tecidos entre si. Entre os sarcomas ósseos primários, os mais comuns são o condrossarcoma (que se formam nas cartilagens),o osteossarcoma (que acometem os ossos),e o sarcoma de Ewing.

Já entre os sarcomas de partes moles, os mais diagnosticados são os lipossarcomas (que têm origem nas células de gordura),os leiomiossarcomas (que têm origem nas células musculares),e os sarcomas sinoviais (que atingem, predominantemente, os joelhos). Mas também existem, em menor incidência, dermato fibrossarcoma protuberante, angiossarcoma, rabdomiossarcoma primário e desmoide, entre outros sarcomas.

Quais são os sintomas da doença?

Os sintomas do sarcoma variam conforme a região atingida. Quando sintomático, o tumor pode provocar:

  • dor ou sensação de formigamento nos braços e pernas, provocados pelo nódulo que aumentam rapidamente de tamanho.
  • dor abdominal, desconforto ou massa palpável no abdômen;
  • alterações intestinais (diarreia ou constipação);
  • alterações urinárias (mudança na frequência).

Como é o diagnóstico do sarcoma?

O diagnóstico do sarcoma é feito em etapas. Tudo começa com a análise do nódulo, por meio do exame físico realizado no consultório. Na mesma ocasião, o especialista também analisa a história clínica do paciente.

Para confirmar a suspeita e, ao mesmo tempo, verificar se existem metástases (acometimento de outros locais),o médico solicita exames de imagem complementares, como o raio-X, ultrassonografia, tomografia, ressonância magnética ou cintilografia. Por fim, ele pede uma biópsia por agulha grossa, guiada por ultrassom ou por tomografia. Só então o material colhido segue para análise laboratorial, que irá dizer o tipo de sarcoma e respectivo grau de malignidade.

Quais são as formas de tratamento?

A estratégia de tratamento mais adequada varia conforme o tipo de sarcoma, localização, tamanho, grau de malignidade e características individuais do paciente. Em geral, recorre-se à retirada cirúrgica do tumor e de uma margem de segurança (alguns milímetros de tecido ao seu entorno),para diminuir as chances de recidiva.

Porém, em sarcomas mais agressivos, costuma-se realizar o tratamento quimioterápico antes e/ou depois da cirurgia, com o intuito de prevenir metástases. E em certos casos, o tratamento pós-ressecção cirúrgica pode ser feito com radioterapia.

Como é o prognóstico da doença?

É importante ressaltar que o prognóstico do sarcoma melhora quanto mais cedo os tumores forem identificados. Estudos retrospectivos mostram que diagnosticá-los em estágios iniciais aumenta a sobrevida dos portadores consideravelmente.

Mas atenção: mesmo em tratamentos bem-sucedidos, é imprescindível continuar o acompanhamento nos anos seguintes. Dessa maneira, evita-se o agravamento de outros possíveis nódulos malignos.

Existe prevenção para os sarcomas?

Infelizmente, não existe. Assim, a melhor maneira de se cuidar é procurar um especialista sempre que um nódulo aparecer. Caberá a ele fazer a investigação do achado e, se necessário, iniciar o tratamento o mais precocemente possível.

Esperamos que o artigo tenha sido esclarecedor. Mas caso tenha ficado com alguma dúvida, sinta-se à vontade para entrar com contato com o Dr. Roberto pelo site, telefone (11) 2151-0240 ou WhatsApp (11) 99150-9179.

Compartilhe

Publicado por: - Oncologista - CRM 170.446
O Dr. Roberto Pestana (CRM 170.446) é oncologista clínica do centro de oncologia do Hospital Israelita Albert Einstein. Além disso, ele é médico do ambulatório de sarcomas do Hospital Municipal Vila Santa Catarina.