Qual é a diferença entre sarcoma e carcinoma?

Qual é a diferença entre sarcoma e carcinoma?

Você sabe a diferença entre sarcoma e carcinoma? Ambos são tipos de cânceres, mas os sarcomas se desenvolvem a partir de células de tecido conjuntivo, como músculos, gorduras, vasos sanguíneos, tendões, nervos e ossos, enquanto os carcinomas têm origem nas células epiteliais, as quais revestem a pele e a maioria dos órgãos internos.

Neste artigo, mostramos as principais diferenças entre os tumores, bem como de que maneira podem ser diagnosticados e tratados. Para entender, continue a leitura!

O que sarcomas e carcinomas têm em comum?

Sarcomas e carcinomas fazem parte do grupo de mais de 200 doenças conhecidas pelo nome genérico de câncer. Apesar de serem muito diferentes, todos os tipos de cânceres têm algo em comum: o início devido ao crescimento anormal das células.

Em uma pessoa saudável, as células crescem, se dividem e morrem de maneira ordenada (quando envelhecem ou sofrem lesões irreparáveis). No câncer, as células cancerosas crescem desordenadamente e podem, inclusive, invadir outros locais.

Além dos sarcomas e carcinomas, há outras categorias de câncer. Tratam-se dos linfomas mielomas (que têm início nas células do sistema imune),da leucemia (que começa na medula óssea),dos tumores neuroendócrinos, e dos cânceres do sistema nervoso central (que surgem nos tecidos da medula espinhal e do cérebro).

Qual é a principal diferença entre sarcomas e carcinomas?

Os sarcomas são um tipo de câncer bastante raro. Tratam-se de tumores que podem surgir em tecidos conjuntivos e se subdividem em dois tipos principais: sarcomas de partes moles e sarcomas ósseos.

Os sarcomas de partes moles podem aparecer em músculos, gorduras, vasos sanguíneos, tecidos fibrosos, nervos e nos tecidos mais profundos de pele (tecidos de suporte). Na maioria dos casos, são encontrados nas pernas e braços, mas também podem ser vistos no tronco, pescoço, cabeça, retroperitônio (área em torno da cavidade abdominal) e órgãos internos.

Já os sarcomas ósseos se desenvolvem a partir dos ossos. Eles se dividem em osteossarcomasarcoma pleomórfico ósseo, sarcoma de Ewing, e condrossarcoma.

Os carcinomas, por sua vez, são tipos de câncer mais comuns. Nesse caso, os tumores surgem no tecido epitelial, presente na pele e no revestimento de órgãos internos. A maioria dos cânceres de mama, por exemplo, são carcinomas.

Como é feito o diagnóstico desses tipos de cânceres?

O diagnóstico do câncer pode ser feito em função dos sintomas ou em meio à investigação de outras patologias. No entanto, para alguns tipos de carcinomas, existem exames de rastreamento (oferecidos para o público em geral). Por exemplo:

  • Papanicolau, realizado, periodicamente, em todas as mulheres que já iniciaram a vida sexual ou tem mais de 21 anos de idade, com o objetivo de prevenir o câncer de colo uterino;
  • Mamografia, realizada, periodicamente, em todas as mulheres com mais de 40 anos, para prevenir o câncer de mama;
  • Colonoscopia, realizada, periodicamente, em homens e mulheres a partir dos 50 anos, para prevenir o câncer de intestino;
  • Checagem dos níveis do antígeno prostático específico (PSA) no sangue, realizado em homens a partir dos 50 anos, para prevenção do câncer de próstata.

Também existem os exames indicados, especificamente, para pacientes com risco-padrão para determinados tipos de carcinomas. Isso é definido pelo médico, com base no histórico clínico (pessoal e familiar) e avaliação de fatores de risco. Por exemplo:

  • Tomografia computadorizada de pulmão, realizada em pacientes com histórico de tabagismo, a partir dos 55 anos, para prevenir o câncer de pulmão;
  • Exames dermatológicos, realizados em pessoas de peles claras, mas com muitas pintas;
  • Ultrassonografia de fígado, realizada em para portadores de cirrose hepática; entre outros.

Em relação aos sarcomas, no entanto, não existem exames de rastreamento. Caso haja sintomas, histórico familiar da doença e/ou fatores de risco associados, o oncologista pode solicitar exames de imagem e laboratoriais específicos, inclusive, testes genéticos. Se confirmada, é feita uma biópsia para avaliar o estágio da doença.

Qual é a melhor forma de tratar sarcomas e carcinomas?

Independentemente das diferenças entre os tipos de cânceres, cada tumor deve ser avaliado individualmente. Para isso, os oncologistas consideram, entre outros fatores:

  • o estágio no qual se encontra (nível de agressividade);
  • a localização (se permanece no local de origem ou se há metástases).

Só então é possível definir a estratégia de tratamento que será adotada. O importante é que, quanto mais difíceis de serem tratados, maior seja a experiência e habilidade do oncologista nos tipos de tumores em questão. No caso dos sarcomas de partes moles e ósseos, por exemplo, estudos comprovam que pacientes tratados em centros oncológicos especializados têm maiores taxas de sucesso.

Esperamos que as diferenças entre sarcoma e carcinoma tenham sido elucidadas. Para concluir, vale lembrar que a detecção precoce (em fase inicial ou pré-maligna) é o ideal, pois possibilita um melhor prognóstico. Por isso, não tenha receio de procurar um especialista. Ele, certamente, saberá qual a melhor conduta a ser adotada para sua saúde e qualidade de vida!

Gostou do conteúdo? Então, siga o Dr. Roberto Pestana no Facebook e Instagram e acompanhe mais conteúdos com o especialista em oncologia!

 

Compartilhe

Publicado por: - Oncologista - CRM 170.446
O Dr. Roberto Pestana (CRM 170.446) é oncologista clínica do centro de oncologia do Hospital Israelita Albert Einstein. Além disso, ele é médico do ambulatório de sarcomas do Hospital Municipal Vila Santa Catarina.