exame de colonoscopia é indicado para pacientes que estão no grupo de risco para o câncer de intestino (também conhecido como câncer colorretal) ou que apresentam sintomas no trato intestinal que não tenham sido esclarecidos com os exames de imagem não invasivos. Ele é essencial tanto no diagnóstico como na prevenção doenças, pois permite remover pólipos que, no futuro, poderiam se transformar em tumores.

Mas apesar da sua eficiência inquestionável, a colonoscopia ainda incomoda muita gente. Para diminuir a ansiedade em relação ao procedimento, o primeiro passo é entendê-lo. Sendo assim, aproveite a leitura!

O que é o exame de colonoscopia?

A colonoscopia é uma endoscopia do intestino grosso e da parte final do intestino delgado (reto, cólon e íleo terminal). Ela é realizada pelo endoscopista e gera imagens de alta definição, que permitem ao médico observar o revestimento mucoso de todo trato intestinal. Além disso, durante a colonoscopia é possível realizar retirada de pólipos e biópsias de áreas suspeitas.

Quais são os preparos necessários?

Muitos pacientes consideram a preparação mais desagradável do que o exame de colonoscopia propriamente. Antes de realizá-lo, o cólon precisa estar completamente limpo, para que as mucosas possam ser vistas sem interferências.

O preparo tem início de um a três dias antes da data do exame. É preciso fazer uma dieta líquida (à base de água e líquidos claros, como sucos coados, chás, bebidas isotônicas e gelatina) e usar laxante, para provocar uma diarreia e, assim, eliminar os vestígios de fezes do intestino.

Em relação aos medicamentos de uso habitual, a maioria não precisa ser suspensa antes do exame. No entanto, alguma dose pode ser ajustada, por conta da redução da ingesta de alimentos durante o preparo da colonoscopia. Já no caso de anticoagulantes, se houver a necessidade de colher pequenas amostras de tecido para biópsias, a suspensão deve ser estudada pelo médico responsável com base nas características de cada paciente.

Como é a realização do exame?

O exame de colonoscopia costuma ser feito com sedação. O nível de sedação depende da capacidade de cada paciente colaborar e de suas condições clínicas.

Para realizar o exame, o paciente permanece em decúbito lateral (deitado de lado) e o endoscopista introduz o colonoscópio (um aparelho endoscópico longo e fino, com cerca de 1,85 cm de comprimento e 1 cm de diâmetro) pelo ânus, avançando-o, lentamente, até a parte final do intestino delgado. Graças a uma microcâmera articulada, que pode girar em vários ângulos, o médico consegue visualizar as estruturas analisadas com bastante clareza. O endoscopista também pode acoplar um tipo de pinça ao colonoscópio, para remover pólipos e lesões suspeitas e enviá-las para biópsia.

O procedimento demora quanto tempo?

O processo todo leva entre 20 minutos e uma hora. Mas, é preciso permanecer no hospital um pouco mais, para recuperar-se da sedação.

Não é permitido dirigir ou trabalhar após o exame (o efeito do sedativo só desaparece por completo no dia seguinte). Por isso, deve-se comparecer ao local acompanhado, pois é necessário ajuda para voltar para casa.

A alimentação após o exame pode ser normal. Porém, caso tenham sido retirados pólipos, é necessário seguir uma dieta especial por alguns dias.

O exame de colonoscopia dói?

O que acontece na colonoscopia é a formação de gases que, por sua vez, provocam cólicas — as quais podem ser mais intensas em alguns pacientes do que em outros.

Os gases são formados porque, para que o colonoscópio consiga avançar pelo intestino, é preciso “descolar” suas paredes (que estão assim por estarem vazias). Para isso, o aparelho libera gás carbônico, provocando a insuflação dessas paredes e permitindo sua progressão.

Quando realizar uma colonoscopia?

A colonoscopia faz parte dos exames periódicos, indicados para homens e mulheres a partir dos 50 anos e, antes dessa idade, para pacientes específicos que tenham risco aumentado de câncer de intestino, com o intuito de prevenir o câncer colorretal. Ela pode ser solicitada tanto pelo gastroenterologista como pelo oncologista especialista em tumores gastrointestinais.

Em pacientes mais jovens, o exame de colonoscopia costuma ser usado na investigação de sintomas ocorridos no trato intestinal. São exemplos:

  • constipação intestinal contínua;
  • diarreia persistente;
  • sangue nas fezes;
  • dor abdominal crônica e sem causa aparente.

Esses sintomas são comuns a diferentes doenças, benignas e malignas, o que faz com que a investigação endoscópica seja essencial para se chegar a um diagnóstico. Como mencionado anteriormente, muitas vezes, é preciso realizar biópsias de lesões ou pólipos presentes no trato intestinal.

Qual é a importância da colonoscopia?

A colonoscopia fornece informações complementares aos resultados de radiografias, ultrassonografias e tomografias computadorizadas. Ela é essencial no rastreio do câncer de intestino, pois, com um diagnóstico precoce e preciso, o tumor pode ser descoberto e tratado antes de se disseminar. Isso torna o prognóstico da doença animador, com grandes chances de cura! Assim, se seu médico solicitou um exame de colonoscopia, seja qual for a motivação, converse a respeito, tire todas as dúvidas, mas não deixe de realizá-lo.

Se você gostou desse conteúdo, continue acompanhando o blog do Dr. Roberto Pestana para ficar por dentro de todas as atualizações sobre oncologia gastrointestinal. Siga-o, também, nas redes sociais, no Facebook e Instagram!

Compartilhe

Publicado por: - Oncologista - CRM 170.446
O Dr. Roberto Pestana (CRM 170.446) é oncologista clínica do centro de oncologia do Hospital Israelita Albert Einstein. Além disso, ele é médico do ambulatório de sarcomas do Hospital Municipal Vila Santa Catarina.