Você sabia que o tumor pancreático é o terceiro tumor gastrointestinal em frequência? Para diferenciar os tipos de câncer de pâncreas, os especialistas se baseiam no local onde se originam. Essa informação permite prever como agirão no organismo, tornando a escolha do tratamento mais assertiva e o prognóstico mais promissor!

Neste artigo, detalhamos as principais informações sobre a doença e citamos sete subtipos mais comuns. Para conhecê-los, continue a leitura!

O que é câncer de pâncreas?

O câncer de pâncreas é mais incidente em homens, a partir dos 60 anos de idade. Trata-se de um tumor agressivo e difícil de diagnosticar. Isso faz com que suas taxas de mortalidade sejam altas.

Para ter ideia, no Brasil, esse tipo de tumor corresponde a apenas 2% dos casos de câncer, mas responde por 4% do total de óbitos. Em 2020, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca),foram registradas 11.893 mortes em decorrência da doença.

Geralmente, o tumor pancreático surge na chamada cabeça do órgão (lado direito do pâncreas). Já o corpo (região central) e a cauda (parte esquerda) são partes menos afetadas.

O risco de metástase é alto. Conforme as células malignas se multiplicam, elas podem invadir outros órgãos e estruturas, bem como os linfonodos (gânglios linfáticos).

Quais são suas possíveis causas?

Entre as principais causas para o aparecimento do câncer de pâncreas, destacam-se o abuso de bebidas alcoólicas, o tabagismo e o consumo excessivo de gorduras.

Quais tipos de câncer de pâncreas existem?

O pâncreas é um órgão vital, responsável, entre outras atribuições, por secretar a insulina (hormônio que controla a glicose) e as enzimas que atuam na digestão. Ele pode apresentar tumores pertencentes a dois grupos:

  • de origem exócrina, relacionados às células que produzem as enzimas digestivas;
  • de origem neuroendócrina, relacionados às células que produzem hormônios que regulam diversas funções do organismo.

Dito isso, os principais tipos de câncer de pâncreas são:

  • adenocarcinoma pancreático, o qual tem origem exócrina e responde por mais de 95% dos quadros da doença;
  • tumores das células das ilhotas do pâncreas, como insulinoma, gastrinoma, glucaganoma, entre outros, os quais têm origem neuroendócrina.
  • Tumores neuroendócrinos

Existem, ainda, outros tipos de câncer de pâncreas, os quais são bastante raros. São eles:

  • carcinomas de células acinares;
  • carcinomas adenoescamosos;
  • carcinomas de células escamosas;
  • carcinomas de células em anel de sinete;
  • carcinomas indiferenciados; entre outros.

Quais são os sintomas da doença?

Diferentes tipos de câncer de pâncreas provocam sintomas diversos. Mas, de maneira geral, os pacientes com a doença podem notar a perda de apetite e de peso, diarreia, tontura, náuseas, urina escura e fraqueza.

Além disso, quando o tumor está localizado na cabeça do órgão, leva à obstrução biliar, o que causa icterícia (condição que deixa pele e olhos amarelados). Em estágios mais avançados, gera dor no abdômen superior e nas costas, a qual começa leve e se intensifica ao longo do tempo.

Outro reflexo da doença é a hiperglicemia (aumento dos níveis de glicose no sangue),devido à deficiência na produção de insulina. Por isso, o surgimento do diabetes em adultos pode ter relação com a neoplasia.

Como é o diagnóstico e tratamento?

O diagnóstico é feito com a partir de achados em exames de sangue e urina, assim como em ultrassonografias, tomografias computadorizadas ou ressonâncias magnéticas. A confirmação, por sua vez, se dá via laudo histopatológico, após biópsia.

Já o tratamento varia conforme seu estadiamento (localização e extensão do tumor). Em fases iniciais, a cirurgia para ressecção é a terapêutica mais indicada. Além disso, a radioterapia e/ou a quimioterapia também podem ser utilizadas.

Agora que você conhece os principais tipos de câncer de pâncreas, em caso de sinais suspeitos, procure um especialista. Apesar de os sintomas serem genéricos, eles são um importante alerta de que algo não está bem no organismo.

Se desejar, marque uma consulta com o Dr. Roberto Pestana, oncologista especialista em tumores gastrointestinais do Hospital Albert Einstein. Para isso, basta acessar o formulário de pré-agendamento online!

Compartilhe

Publicado por: - Oncologista - CRM 170.446 | RQE 97248
O Dr. Roberto Pestana (CRM 170.446 | RQE 97248) é oncologista clínica do centro de oncologia do Hospital Israelita Albert Einstein. Além disso, ele é médico do ambulatório de sarcomas do Hospital Municipal Vila Santa Catarina.